Notícia

Lei nº 14.375/2022 estabelece novas regras para transação tributária

Compartilhar
FacebookLinkedIn
Voltar

Nesta quarta-feira (22/6) foi publicada no Diário Oficial da União a Lei nº 14.375/2022, fruto da conversão da Medida Provisória nº 1.090/2021, que amplia a transação tributária (instituto que permite a renegociação de débitos com o fisco) e estabelece novas regras.

A proposta foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro com apenas um único veto, referente ao art. 14 da MP, o qual previa que os descontos concedidos na transação não seriam computados na base de cálculo do Imposto de Renda, da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e das contribuições ao PIS e à Cofins.

As principais alterações foram:

I – inclusão dos créditos tributários judicializados, sob administração da RFB;

II – possibilidade de transação dos débitos perante a Receita Federal que estejam em contencioso administrativo fiscal, podendo ser proposta pelo fisco de forma individual por adesão, ou por iniciativa do devedor;

III – possibilidade de utilização de créditos de prejuízo fiscal de IRPJ e base de cálculo negativa de CSLL (próprio ou de empresas coligadas e controladas) para pagamento das dívidas, até o limite de 70% do saldo remanescente após os descontos, se houver, com homologação ulterior pela Receita que terá o prazo de 5 anos para análise do crédito;

IV – ampliação de 50% para 65% do desconto máximo relativo aos créditos a serem transacionados que sejam considerados irrecuperáveis ou de difícil recuperação;

V – possibilidade de utilização de precatório ou direito creditório com sentença de valor transitada em julgado para amortização de dívida tributária principal, multas e juros;

VI – aumento do prazo para quitação da transação, de 84 para até 120 meses;

VII – possibilidade de negociar o saldo remanescente de parcelamentos anteriores ainda em vigor, considerando-se quitadas as parcelas vencidas e liquidadas, na respectiva proporção do montante devido, desde que o contribuinte se encontre em situação regular no programa e, quando for o caso, esteja submetido a contencioso administrativo ou judicial, vedada a acumulação de reduções entre a transação e os respectivos programas de parcelamento;

VIII – extensão do regime da transação por adesão no contencioso tributário de pequeno valor às dívidas ativas de natureza não tributária, cobradas pela PGFN ou créditos inscritos de FGTS e das fundações públicas federais;

IX – não constitui óbice à realização da transação a comprovada impossibilidade material de oferecimento de garantia pelo devedor ou a oferta de garantias adicionais às já formalizadas em processos judiciais.

A equipe do Serur Advogados está à disposição para prestar suporte e esclarecimentos acerca da matéria.

Relacionadas

Notícia

Quatro pontos sensíveis que uma startup precisa aprimorar para receber investimento de fundos

FABRICIO DA MOTA ALVES
Continue Lendo

Notícia

Carf discute arbitramento de lucro para empresas imobiliárias

Continue Lendo

Notícia

Regra geral de dedutibilidade do IRPJ se aplica à CSLL

Continue Lendo